quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Futebol versus Râguebi – "separados à nascença"


Graças ao apuramento da nossa selecção dos "lobos" para o Mundial de râguebi, parece que o país "acordou" para a existência de uma modalidade que tem as suas origens em Inglaterra, tal como o futebol, e que é actualmente o segundo desporto colectivo mais popular no mundo, atrás do…futebol. O râguebi teve o seu início no séc. XIX e diz a "lenda" que esta modalidade surgiu de uma jogada irregular do futebol, quando um jogador, em pleno jogo, pegou na bola com as mãos e seguiu com ela até à linha de fundo adversária (hoje, o ensaio). Assim sendo, o râguebi pode ser considerado filho "ilegítimo" do futebol, pois "nasceu" de um erro. No entanto verifica-se actualmente, que enquanto no râguebi, os erros quer de arbitragem, quer de jogadores e dirigentes são reduzidos ao mínimo, através da introdução de meios tecnológicos e do fair-play, no futebol, os erros são cada vez mais visíveis, pois a tecnologia que serve para os mostrar, não é utilizada para os corrigir, ou seja, o filho ilegítimo, neste momento, supera o pai, em algumas vertentes. Outra diferença inultrapassável entre as modalidades, prende-se com o convívio entre adversários. É tradição do jogo do râguebi o chamado "Terceiro Tempo". No final da partida os jogadores das duas equipas reúnem-se para festejar o encontro, e geralmente o banquete e as bebidas são oferecidos pela equipa da casa. No futebol, tal só acontece antes dos jogos e quando os dirigentes não estão de relações cortadas, pois no final torna-se de todo impossível. Atendendo às características específicas deste jogo e à "futebolização" existente no nosso País, entendemos ser o momento próprio para o arranque definitivo da modalidade. Ninguém aprecia um jogo, sem o conhecer e, "por causa do Mundial", as regras já são minimamente perceptíveis para o espectador comum, o que constitui o ponto de partida para uma modalidade evoluir. Outra necessidade premente é a modalidade ser abordada na escola nas aulas curriculares de Educação Física. Atrevemo-nos a dizer que o râguebi precisa da escola para se desenvolver e a escola precisa do râguebi para que certos princípios atrás enunciados, como o fair-play, o respeito pelos adversários e a noção de cooperação/oposição voltem a prevalecer em detrimento do "vale tudo". A escola e o futebol actual precisam dos valores do râguebi.

Um comentário:

Anônimo disse...

Com certeza é importante diminuir o individualismo e aplicar o cooperativismo e o espírito de equipe, pois hoje em dia, principalmente no futebol, se uma criança não aprende rapidamente a jogar é logo descartada, formando jovens e mais tarde adultos com sérios problemas sociais.